CENTRO DE ESTUDOS BÚDICOS

Jacareí, SP


OS MENSAGEIROS DE DEVA1

((Devadûta Vagga, Anguttara Nikâya, i.138)


NAMO TASSA BHAGAVATO ARAHATO SAMMÂSAMBUDDHASSA
Homenagem a Ele, ao Afortunado, ao Consumado, ao Perfeitamente Iluminado


1. Bikxus2, três são os mensageiros de deva. Quais três?
Aqui, bikxus, uma certa pessoa leva uma vida de má conduta no corpo, leva uma vida de má conduta na fala, leva uma vida de má conduta na mente. Tendo levado uma vida de má conduta em ação, tendo levado uma vida de má conduta em palavra, tendo levado uma vida de má conduta em pensamento, com a desagregação do corpo após a morte, ele surge no estado de perdição, na rota da miséria, na ruína, no Purgatório3. Então, bikxus, os guardiões do Purgatório, agarrando-o pelos braços de todos os lados, apresentam-no ao rei Yama:

“Este homem, ó majestade, foi irreverente com a mãe, irreverente com o pai, irreverente com os ascetas, irreverente com os brâmanes, e não foi honrador dos dignitários do clã. Que sua majestade lhe inflija uma punição.”

Então, bikxus, o rei Yama examina-o, perquire-o, e com ele entabula conversa no tocante ao primeiro mensageiro de deva: “Eh homem! Tu não viste o primeiro mensageiro de deva manifesto entre os seres humanos?”

E ele assim responde: “Não o vi, senhor.”

Então, bikxus, o rei Yama destarte lhe diz: “Oh homem! Não viste tu entre os seres humanos uma mulher ou um homem, octogenário ou nonagenário ou centenário, do tipo decrépito, arqueado qual empena de telhado, encurvado, apoiado num bastão, trêmulo enquanto anda, adoentado, de juventude passada, com dentes quebrados, de cabelos grisalhos, ou cortados, ou calvo, de rosto enrugado e o corpo coberto de nódoas?”
— Eu vi, senhor.
— Oh homem! A ti isto não ocorreu, inteligente e de idade bastante madura que és: ‘ Eu também estou deveras sujeito à velhice, não ultrapassei a velhice. Ora vamos! que eu faça o bem no corpo, na fala e na mente.’ ?”
— Não, senhor, eu não fui capaz. Fui negligente, senhor.
— Oh homem! Foi devido à negligência que tu não fizeste o bem em ação, palavra e pensamento. Eis que, ó homem, conforme tenha sido tua negligência, assim mesmo eles te farão. Ora, esta tua má ação não foi cometida pela mãe, não foi cometida pelo pai, não foi cometida pelo irmão, nem foi cometida pela irmã, tampouco foi ela cometida pelos amigos e colegas; não foi cometida por parentes ou compatriotas, nem foi cometida por devas, tampouco foi cometida por ascetas ou brâmanes. Mas sim por ti só foi perpetrada esta má ação, e justamente tu hás de experimentar-lhe os frutos.”

2. Então, bikxus, o rei Yama tendo-o examinado, o perquirido e com ele entabulado conversa no tocante ao primeiro mensageiro de deva, examina-o, perquire-o e com ele entabula conversa no tocante ao segundo mensageiro de deva: “Eh homem! Tu não viste o segundo mensageiro de deva manifesto entre os seres humanos?”
— Não o vi, senhor. — Oh homem! Não viste tu entre os seres humanos uma mulher ou um homem, adoentado, aflito, gravemente enfermo, atolado nos seus próprios excrementos e urina, e sendo levantado e posto na cama por uns e outros?”
— Eu vi, senhor. — Oh homem! A ti isto não ocorreu, inteligente e de idade bastante madura que és: ‘ Eu também estou deveras sujeito à doença, não ultrapassei a doença. Ora vamos! que eu faça o bem no corpo, na fala e na mente.’ ?”
— Não, senhor, eu não fui capaz. Fui negligente, senhor.
— Oh homem! Foi devido à negligência que tu não fizeste o bem em ação, palavra e pensamento. Eis que, ó homem, conforme tenha sido tua negligência, assim mesmo eles te farão. Ora, esta tua má ação não foi cometida pela mãe, não foi cometida pelo pai, não foi cometida pelo irmão, nem foi cometida pela irmã, tampouco foi ela cometida pelos amigos e colegas; não foi cometida por parentes ou compatriotas, nem foi cometida por devas, tampouco foi cometida por ascetas ou brâmanes. Mas sim por ti só foi perpetrada esta má ação, e justamente tu hás de experimentar-lhe os frutos.”

3. Então, bikxus, o rei Yama tendo-o examinado, o perquirido e com ele entabulado conversa no tocante ao segundo mensageiro de deva, examina-o, perquire-o e com ele entabula conversa no tocante ao terceiro mensageiro de deva: “Eh homem! Tu não viste o terceiro mensageiro de deva manifesto entre os seres humanos?”

E ele assim responde: “Não o vi, senhor.”

Então, bikxus, o rei Yama destarte lhe diz: “Oh homem! Não viste tu entre os seres humanos uma mulher ou um homem, morto há um dia ou morto há dois dias ou morto há três dias, intumescido, (de coloração) azul-preta e apodrecido?”

E ele assim responde: “Eu vi, senhor.”

Então, bikxus, o rei Yama destarte lhe diz: “Oh homem! A ti isto não ocorreu, inteligente e de idade bastante madura que és: ‘ Eu também estou deveras sujeito à morte, não ultrapassei a morte. Ora vamos! que eu faça o bem no corpo, na fala e na mente.’ ?”

Ele assim responde: “Não, senhor, eu não fui capaz. Fui negligente, senhor.”

Então, bikxus, o rei Yama destarte lhe diz: “Oh homem! Foi devido à negligência que tu não fizeste o bem em ação, palavra e pensamento. Eis que, ó homem, conforme tenha sido tua negligência, assim mesmo eles te farão. Ora, esta tua má ação não foi cometida pela mãe, não foi cometida pelo pai, não foi cometida pelo irmão, nem foi cometida pela irmã, tampouco foi ela cometida pelos amigos e colegas; não foi cometida por parentes ou compatriotas, nem foi cometida por devas, tampouco foi cometida por ascetas ou brâmanes. Mas sim por ti só foi perpetrada esta má ação, e justamente tu hás de experimentar-lhe os frutos.”

4. Então, bikxus, o rei Yama tendo-o examinado, perquirido e com ele entabulado conversa, queda-se em silêncio. Então, bikxus, os guardiões do Purgatório infligem-lhe as punições [aqui são descritos seis tipos diferentes de castigos aos quais ele é submetido; após cada um deles repete-se o seguinte: Lá ele experimenta sensações dolorosas, pungentes, violentas e amargas, mas ele não finda seu tempo enquanto esta má ação não é exaurida].4
Então, bikxus, os guardiões do Purgatório atiram-no ao Grande Purgatório.

5. Aconteceu outrora, ó bikxus, e ao rei Yama ocorreu-lhe isto: “Parece-me, meu caro, que aqueles que no mundo cometem más ações, esses são afetos às múltiplas retribuições do carma como estas. Oh! Oxalá venha eu adquirir existência humana, e que um Tathägata5 surja no mundo, um Consumado, perfeitamente iluminado, e que eu então possa me sentar junto dele, e que o Afortunado6 venha a me ensinar o Darma7, e que eu venha a entender o Darma do Afortunado!”

Agora, bikxus, isto que eu assim relato, não o ouvi de qualquer outro asceta ou brâmane; todavia, bikxus, aquilo que só por mim próprio foi conhecido, por mim próprio foi visto, por mim próprio foi descoberto, justamente isto eu declaro.

6.

Prevenidos pelos mensageiros-de-deva, os que
são negligentes enquanto jovens
Eles chegados à ignóbil condição humana,
por longo tempo se afligem.
Mas aqueles que aqui sendo retos, pelos
mensageiros-de-deva
Prevenidos, não são em qualquer tempo
negligentes no nobre Darma,
No apego o medo vendo e a origem do nascimento e morte,
Desapegados, eles libertam-se com a
destruição do nascimento e morte.
Estes, felizes, tendo segurança obtido, e
neste mesmo mundo alcançado o Nirvana8 completo
Transcendendo todo ódio e medo, sobrepujaram
todo sofrimento.9

* * *


Notas

1. Traduzido do original páli, publicado pela Pali Text Society, Inglaterra.
Deva significa literalmente “o radiante”. Os devas aos quais o Yama pertence também, são entes que habitam esferas sobre-humanas. Embora muitos os assemelhem aos “deuses” latinos e assim o traduzam, deve-se ter em mente que os devas estão sujeitos às mesmas leis da Natureza que os homens: não têm ascendência sobre estes, não lhe são visíveis geralmente e sua existência é efêmera, embora esta se conte aos milhares de anos; estão, ademais, sujeitos ao renascimento. Muitos consideram que as aludidas esferas sobre-humanas são correspondências de estados psicológicos especiais. Sobre isto veja maiores detalhes no artigo: “A Roda da Vida”, uma publicação do C.E.B..
Para uma comparação com os paralelos ocidentais, veja “Os Mensageiros do Destino”,uma publicação do C.E.B..

2. Monge-mendicante budista.

3. Sobre o Purgatório (páli niraya), outra esfera de existência, veja o artigo aludido na nota 1 acima.

4. No budismo, a vida numa tal esfera de existência tão dolorosa, não implica uma eterna danação. Tal forma dolorosa de existência é a conseqüência legal dos maus atos e findará quando a força que a condiciona, é exaurida. Então, as boas causas do passado poderão ter uma oportunidade de operar e condicionar um renascimento mais feliz.

5. Literalmente “o assim-ido ou vindo”, um dos apelidos de Buda.

6. Outro apelido de Buda.

7. Darma tem muitas acepções. Aqui ele significa o Ensinamento, Doutrina, Lei. Tanto o Darma (páli Dhamma) quanto deva e nirvana são palavras que já constam dos dicionários brasileiros da língua portuguesa.

8. Libertação final, Iluminação.

9. Estes versos são, por alguns estudiosos, considerados como um acréscimo feito por parte dos compiladores.

* * *


Tradução do original páli
Nissim Cohen
(upâsaka Dhammasâri)

4/11/1997


Permitida a livre distribuição, citando a fonte; favor manter o formato original.
Pede-se a outros grupos budistas a divulgação dos nossos textos.

DDC B.918.124